Download

Riscos

RISCOS FINANCEIROS

O Grupo NOVABASE encontra-se exposto a um conjunto de riscos financeiros que resultam da sua atividade, nomeadamente, o Risco de taxa de câmbio, o Risco de taxa de juro (fluxos de caixa e justo valor), o Risco de crédito, o Risco de liquidez e o Risco de capital.

A imprevisibilidade dos mercados financeiros é analisada continuamente em consonância com a política de gestão de riscos do Grupo, de forma a minimizar potenciais efeitos adversos na sua performance financeira.

Mais informação sobre cada um dos riscos financeiros a que a NOVABASE está exposta, abaixo listados, incluindo mecanismos de controlo e análises de sensibilidade, pode ser encontrada na nota relativa à “Política de gestão do risco financeiro” incluída nas Contas, que constitui parte integrante deste Relatório e Contas Consolidado, e para a qual se remete a leitura.

a) Risco de taxa de câmbio

O Grupo encontra-se exposto ao risco de flutuação cambial, sobretudo do dólar, do kwanza e do metical, dado que algumas subsidiárias efetuam transações nestas moedas.

O departamento financeiro é responsável pelo acompanhamento da evolução cambial das moedas referidas acima, procurando mitigar o impacto da flutuação cambial nos resultados consolidados. Sempre que as expectativas de evolução de taxas de câmbio o justifiquem, o Grupo procura contratar operações de proteção contra movimentos adversos, através de instrumentos financeiros derivados.

b) Risco de taxa de juro (fluxos de caixa e justo valor)

O risco de taxa de juro traduz a possibilidade de existirem flutuações no montante dos encargos financeiros futuros em empréstimos contraídos devido à evolução do nível de taxas de juro de mercado.

O custo da dívida financeira contraída pelo Grupo está indexado a taxas de referência de curto prazo, revistas com uma periodicidade inferior a um ano e adicionadas de prémios de risco oportunamente negociados. Assim, variações nas taxas de juro podem afetar os resultados do Grupo.

A exposição ao risco de taxa de juro da NOVABASE advém de deter ativos e passivos financeiros contratados a taxa fixa e/ou taxa variável. No caso das taxas fixas, o Grupo enfrenta um risco de variação do justo valor desses ativos ou passivos, na medida em que qualquer alteração das taxas de mercado envolve um custo de oportunidade. No caso das taxas variáveis, tal alteração tem impacto direto no valor dos juros, provocando, consequentemente, variações de caixa.

A exposição a risco de taxa de juro é analisada de forma contínua pelo departamento financeiro. A gestão do risco de taxa de juro visa reduzir a volatilidade dos encargos com juros.

c) Risco de crédito

A gestão do risco de crédito da NOVABASE é efetuada simultaneamente ao nível das unidades de negócio, para os montantes em dívida de clientes, e ao nível consolidado, para a globalidade das posições ativas dos instrumentos financeiros. O risco de crédito advém de caixa e equivalentes a caixa, instrumentos financeiros derivados, e exposições de crédito a clientes, incluindo valores a receber e transações já acordadas. A nível de bancos e instituições financeiras, são apenas aceites entidades com credibilidade no sector. A gestão do risco de crédito dos clientes é efetuada com base em intervalos de limites de crédito, tendo por base a posição financeira do cliente e o histórico das relações comerciais com o cliente.

d) Risco de liquidez

A gestão prudente do risco de liquidez implica a manutenção de dinheiro ou instrumentos financeiros líquidos suficientes, da existência de fontes de financiamento através de um montante adequado de facilidades de crédito e a possibilidade de fechar posições de mercado.

A Gestão monitoriza previsões atualizadas da reserva de liquidez do Grupo (linhas de crédito não utilizadas e caixa e equivalentes a caixa) na base dos fluxos de caixa esperados, tendo por base uma análise da maturidade contratual remanescente dos passivos financeiros e data esperada dos inflows dos ativos financeiros. Adicionalmente, é efetuado um controlo regular sobre a concentração da maturidade dos empréstimos e obrigações do Grupo.

e) Risco de capital

Os objetivos do Grupo em relação à gestão de capital, que é um conceito mais amplo do que o capital relevado na face da demonstração da posição financeira consolidada, são:

  1. Salvaguardar a capacidade do Grupo de continuar em atividade e assim proporcionar retornos para os acionistas e benefícios para os restantes stakeholders;
  2. Manter uma estrutura de capital sólida para apoiar o desenvolvimento do seu negócio;
  3. Manter uma estrutura de capital ótima que lhe permita reduzir o custo do capital.

RISCOS EMERGENTES

Para além dos riscos financeiros inerentes à atividade, o Grupo está igualmente exposto a riscos de natureza operacional e de negócio, que se podem traduzir em ameaças e oportunidades para o Grupo, e para os quais são desenvolvidas proativamente estratégias adequadas de mitigação. Destacam-se os seguintes:

a) Cyber-Riscos

A crescente sofisticação e integração tecnológicas, elevaram o nível de exposição das empresas a várias naturezas de cyber-riscos (como p.e., ataques cibernéticos em larga escala, a violação e destruição de dados, etc.), com possíveis perdas financeiras, operacionais e reputacionais.

Do ponto de vista da segurança da informação têm sido reforçadas medidas de mitigação do risco acompanhadas diretamente pelo Chief Information Security Officer, novo pelouro na Comissão Executiva nomeado no decurso de 2019.

b) Risco de Retenção de Talento

A capacidade da NOVABASE para implementar com sucesso a estratégia delineada depende da capacidade em atrair e reter os colaboradores mais qualificados e competentes para cada função.

Tem-se verificado um aumento da procura pelo talento de qualidade no mercado, em particular no mercado português, onde a NOVABASE recruta a quase totalidade dos seus colaboradores, o que se traduz num incremento potencial dos custos do trabalho e consequente aumento da dificuldade de retenção.

As políticas de recursos humanos da NOVABASE estão alinhadas para atingir estes objetivos, tendo esta área sido distinguida em 2019 com o prémio “Inovação na Gestão de Pessoas” pela revista Human Resources Portugal. Adicionalmente, a NOVABASE aposta na formação como vetor essencial para a adaptação do talento à nova estratégia nas tecnologias de Informação de Nova-Geração.

c) Risco de entrega (delivery)

As políticas da NOVABASE para endereçar o risco de delivery passam, entre outras, pelas seguintes:

  • Análise de cada proposta comercial significativa no sentido de reduzir eventual overselling, considerando a capacitação interna disponível;
  • Escrutínio permanente da qualidade da equipa a alocar aos projetos;
  • Manutenção de programas permanentes de formação em tecnologias e metodologias de gestão de projeto.

d) Riscos estratégicos e de contexto

O Grupo enfrenta ainda os chamados “riscos estratégicos e de contexto”, que procura gerir e mitigar através de práticas de discussão recorrente ao nível das diversas cadeias de gestão sobre os riscos que impactam na sociedade / unidade de negócio. Estas discussões abordam áreas de investimento / desinvestimento, apostas estratégicas e riscos pendentes em cada momento, e servem igualmente para discutir a apetência ao risco ao nível da organização e sua evolução.